Razões para não estudar teologia

Razões Para Não Estudar Teologia


Por Marcelo Lemos


Meu primeiro dia no Seminário, como aluno, foi um dos momentos mais felizes da minha vida. Finalmente, ali estava eu, pronto para penetrar a mente de grandes pensadores da religião cristã como Lutero, Calvino, Wesley, Finney! O que estes homens haviam descoberto nas Escrituras? Onde eles tinham acertado ou errado? Quais contribuições eles haviam nos deixado? Poderíamos somar alguma contribuição às deles?

Podem me chamar de idealista, mas eu estava cheio de esperança e alegria. Acreditava que ali, estaria unindo-me a jovens e adultos que pretendiam fazer a diferença na história da Igreja. E penso que eles desejavam isso. No entanto, logo viriam algumas decepções.


Desapontamentos que não se dissiparam com o tempo. Muito pelo contrário, se agravaram bastante, principalmente nos meus dias de professor de seminário. Não que me tenha sido uma tarefa triste ensinar, o duro foi compreender que muitos estudantes não são capazes de se deixarem ensinar. É uma constatação decepcionante.

Além de idealista, talvez eu seja também presunçoso. Se for presunção acreditar que ser um teólogo é algo mais do que um anel e um diploma na parede, então, aceito a acusação. Se acreditar que ser teólogo é pensar, refletir, questionar, desconstruir e reformar, então, podem somar mais esta imperfeição a minha já longa lista de imperfeições.

Ao ler as próximas linhas, alguém poderá se sentir diante de palavras exclusivamente negativas. Mas não. Por trás de cada um destas negativas, o leitor poderá perceber um apaixonado apelo por uma teologia real, construtiva e relevante. Sem querer minimizar o valor do estudo formal, afirmo que um diploma não é o suficiente para tornar você um teólogo. Ser teólogo não é repetir resumos enlatados em pobres apostilas institucionais; ser teólogo é fazer teologia; ser teólogo é pensar.

Quer vir comigo? Antes de vir, reflita se você está realmente disposto a caminhar neste mundo fascinante, mas, ao mesmo tempo, tão árduo. As observações a seguir são pensamentos gerais, a fim de nos levar a reflexão. Ninguém pode possui tudo o que se espera ou deseja, seja qualquer for sua vocação, entretanto, para não ser apenas mais um ‘anelado’ enfeitando os púlpitos por ai, faz-se necessário, ao verdadeiro teólogo, caminhar uma segunda milha.

Não faça teologia se você é preguiçoso.

Alguns estudantes de teologia alegam que não gostam, ou não sabem escrever. É um quadro triste. Não poucas vezes fui procurado por diversos destes estudantes dispostos a me pagarem até R$ 90,00 por um trabalho de trinta páginas! Eu sei que isso não é privilégio dos estudantes de teologia, é um câncer generalizado no sistema educacional do nosso país. Também conheço estudantes de pedagogia, filosofia, enfermagem que fazem a mesma coisa... Fiz algumas contas e cheguei a seguinte conclusão: se eu passar a aceitar alguns destes trabalhos, em pouco tempo terei um próspero negócio - ilegal, é claro!

A dificuldade que temos para escrever revela um outro mal: a incompetência como leitores. Não conseguimos escrever porque não conseguimos ler. E o pior: segundo algumas pesquisas, mesmo quando o Brasileiro é forçado a ler, ele compreende muito pouco!

Os estudantes de teologia não são piores do que os outros apenas por não gostarem de ler e de escrever. São piores porque escolheram a Teologia. Um verdadeiro teólogo é alguém que defenderá a cosmovisão bíblica como tendo a resposta para as questões ultimas da vida, inclusive para a educação e o progresso histórico. Para tanto, o teólogo precisa não apenas imaginar isso, ele precisa viver isso, lutar por isso, fazer parte disto!

Se existe alguém que tem sobre seus ombros a responsabilidade de reformar a Igreja e a Sociedade a sua volta, este alguém é o teólogo, a menos que ele tenha uma visão muito pobre sobre a cosmovisão cristã. Neste caso, ele fatalmente se alistará àqueles que engrossam as fileiras do exército da religião utilitarista.

Não faça teologia se a sua preocupação precípua é o aplauso.

Ser pentecostal pode ser bem complicado, as vezes... Caso você queira fazer teologia, possivelmente encontrará algumas objeções pelo caminho. Ainda hoje muitos imaginam o saber teológico como sendo algo contrário a uma vida de comunhão e poder espiritual. Todavia, você também encontrará aqueles que o incentivaram, e será recebido por algumas Igrejas que simplesmente se deleitam ouvindo homens de perceptível cultura bíblica.

Ou seja, você enfrentará pedras, e aplausos. Um pouco mais do primeiro, certamente – mesmo que de forma velada, na maioria dos casos.

Todavia, não espere pelos aplausos. Contente-se com as pedras: espere por elas! O motivo é bem simples: caso os aplausos sejam sua razão de ser, rapidamente você sucumbirá ao status quo a sua volta. Então, você perderá a chama da Reforma que deveria incendiar o seu coração a cada nova manhã. Para fazer a diferença, para não ser engolido pela crescente massa de mercadores da religião, você não pode fazer dos aplausos o alvo da sua vida!

Estou certo de que seria muito mais popular caso dedicasse minha vida a pregar o arminianismo, ou então, a divulgar gráficos milaborantes sobre as teorias dispensacionalistas sobre o fim dos dias. Porém, se eu assim fizesse, estaria traindo aquilo que minha fé adquiriu do Senhor. Não estou dizendo que você não possa pregar o dispensacionalismo – isso é algo que depende da sua convicção, não da minha. O que digo é que ao aceitar ou rejeitar alguma coisa, enquanto pregador e teólogo, você deve estar comprometido apenas com a verdade, independentemente das conseqüências de sua ação.

Não faça teologia se você tem coração sectário.

A incapacidade de conviver com quem pensa diferente de nós é algo difícil de ser superado. Não que eu defenda o ecumenismo, não é o caso. O que eu defendo é a catolicidade da fé cristã. Acredito que a fé em Jesus, que é dom de Deus, salva o homem, independentemente da denominação, ou das doutrinas distintivas que ostente – desde que tais distintivos não anulem o Evangelho. Em outras palavras, recebo como irmãos em Cristo, todo aquele que não nega as doutrinas fundamentais expostas nos credos historicamente aceitos pela Igreja.

Tenho visto arminianos que negam a salvação a calvinistas, e muito mais calvinistas que negam a salvação aos arminianos. Parece que alguns pertencentes aos dois grupos se vêem como inimigos, e não como irmãos. É evidente que se o arminiano está certo, o calvinista esta errado; ou, do contrário, o calvinista está certo e o arminiano errado. Porém, qual o meio que ambos usam para chegar a Deus? A fé? Se a resposta é sim, onde está o impedimento?

Infelizmente, parece que abraçamos uma espécie de “gnosticismo confecional”. A doutrina gnostica defendia que a salvação do homem está condicionada a certo conhecimento que se deveria obter. O homem, segundo tal doutrina, é salvo com base no conhecimento que possui. O Evangelho, porém, não fala de uma salvação condicionada ao conhecimento, mas condicionada a fé. Este é o todo o conhecimento necessário: que Cristo morreu por nós quando ainda erramos pecadores.

Ora, acabo de me contradizer, pois afirmo que a fé é o ‘único conhecimento necessário’, logo depois de afirmar que o Evangelho ‘não fala de uma salvação condicionada ao conhecimento’. Vou, então, tentar ser mais claro: não somos salvos pela confissão de fé distintiva desta ou daquela Igreja, somos salvos pela confissão de fé em Jesus! Se há algum conhecimento necessário é que Jesus veio ao mundo salvar pecadores.

Não faça teologia se você pensa que isto lhe trará dinheiro.

Você dificilmente ficará rico através da teologia, a menos, claro, que sua teologia seja a da prosperidade, ou algo semelhante... Se você quer ficar rico por meio da religião, eu lhe indicaria outros caminhos,

  • Você pode começar a contar uma história excepcional de livramento ou milagre. Neste caso você provavelmente dará inicio a um prospero ministério de ‘curas e milagres’, que atrairá a si multidões enormes de pessoas das classes C e D.

  • Você também poderia montar um grupo de louvor e adoração. É aconselhável que se apresentem como ‘levitas’, e não se esqueçam de relatar alguma experiência excepcional por meio do que você foi vocacionado pelo Senhor a conquistar o Brasil para Jesus. Não se esquecendo de tais detalhes você poderá até cantar diversas heresias, mas a ‘áurea’ de ‘ungidos’ te protegerá de toda critica, tornando seu ministério inabalável.

  • No caso de você ser assembleiano é aconselhável que você faça uma boa propaganda quanto aos seus dotes de ‘conferencista internacional’, ou de sua vocação para ‘promotor de avivamento’. É quase infalível. Se for uma pessoa carismática, poderá ganhar alguns milhares de reais por cada noite de pregação. Caso seja apenas uma pessoa corajosa, mas sem muito carisma e charme, ainda assim poderá ganhar uns duzentinhos por cada noite de pregação.

  • Você além tiver vocação para a pilantragem, existe um caminho que é também quase infalível – faça macumba gospel. Se no seu bairro ainda não existe alguém que faça, seja o pioneiro; todavia, se prepare para a concorrência que logo te dará dores de cabeça. Por isso, tenha na manga uma boa lista de ‘rituais’ impactantes: tapetes de fogo, diploma de dizimista, água benta (que você poderá ‘envagelicar’ chamando por ‘água ungida’), rosa ungida, cajado de Moisés, bolo da multiplicação, óleo de mirra, óleo de Israel, fogueira santa... E para fechar a semana com chave de ouro, não se esqueça nunca de levar os pedidos de oração para o monte, a fim de queimá-los perante a face do Senhor.

  • Você pode criar uma seita honesta. Que é uma seita honesta? É aquela que assume que é seita, e não quer obrigar ser considerada evangélica – entendeu? Algumas seitas são financeiramente bem sucedidas; não abra mão desta possibilidade antes de tomar sua decisão final.

Penso que o ideal é que o teólogo, e também o pastor, seja duplamente vocacionado. Há muitas vantagens aqui. Uma delas é tirar dos ombros das Igrejas locais o ônus de bancar integralmente o custo de um ministro ordenado: principalmente no caso de Igrejas históricas, já que no pentecostalismo clássico, não há ministros assalariados em Igrejas locais, exceto raríssimas exceções. Mas, em ambos casos, ministros com dupla vocação seriam de grande utilidade para a Igreja, recebendo da Igreja apenas uma ajuda de custo devido suas atribuições ministeriais.

Não faça teologia se você não tem amor pelo ensino, ou pela pregação.

Não há razão de ser um teólogo que não ensina, seja lecionando, seja pregando. Parece-me que muitos gostam de ostentar ‘anel’, e poucos se dedicam à tarefa para a qual foram treinados. É comum sabermos de pessoas que estão estudando teologia e que na pratica continuam professores e pregadores superficiais. Para mim, tal atitude significa desprezo pelo ensino. Se já me decidi por ser um pregador superficial toda a vida, então, qual o motivo para estudar teologia? Ah! Sim! Já ia me esquecendo... o anel!

No banco do seminário teológico, espera-se que o estudante conheça a exegese, e hermenêutica, a homilética, a gramática grega... Porém, quando este mesmo estudante sobe no púlpito ele continua discorrendo sobre “10 Passos Para a Vitória!”. Falta-lhe ainda amor ao ensino, falta-lhe compromisso inabalável com simplicidade do Evangelho.

No caso da pregação, eu sempre aconselho o jovem a não desejar ser um grande pregador, já que tal ‘status’ está forçosamente associado a demonstrações de carisma, poder pessoal e emocionalismos. Antes, aconselho-os, assim como aconselho a mim mesmo, a desejar ser apenas um porta-voz fiel da mensagem bíblica. É aqui que se encontra a essência do ministério da pregação. Se o pregador desce do púlpito com a certeza de ter sido fiel ao que Deus revelou em sua Palavra, não importa como a Igreja recebeu sua mensagem! Claro que nos dedicamos a tornar nossa fala tecnicamente agradável, além de cativante e relevante, porém, jamais as custas da fidelidade a palavra de Deus!

Conheço um jovem pregador chamado Talles. Trata-se, posso dizer francamente, do ‘melhor amigo’ que tenho, numa amizade que já dura mais de uma década. Nos últimos anos tenho aprendido apreciar este homem de Deus como um pregador fiel das Escrituras, mesmo que possamos divergir quanto a algumas doutrinas. Jamais vi, não que me lembre, uma Igreja ‘vir a baixo’ numa pregação do Talles. Com efeito, as pessoas não fazem ‘aviãozinhos’, nem caem ‘arrebatadas’ quanto ele expõe as Escrituras. Todavia, enquanto ele prega, eu olho para o rosto delas e as vejo compreendendo o que ouvem, e sucumbirem diante da clareza das Escrituras.

Tudo que Talles faz é: ler o texto Bíblico, normalmente um trecho dos Evangelhos; em seguida ele explica o texto e, então, aplica o texto a vida da Igreja. Talvez você possa estar pensando: “Só isso?!”. Mas, isso é tudo que importa. Isso é pregar o Evangelho. E é tudo que você, enquanto pregador ou teólogo, precisa buscar.

Minha esposa costuma dizer que eu penso muito no futuro, e que isso pode ser ruim. Quando nos casamos eu disse a ela: “Em dois anos quero um filho, pois não pretendo assistir a adolescência do meu filho sentado na arquibancada: quero jogar bola com ele!”. Sei que ela está certa, e que o futuro será sempre uma surpresa. Por experiência própria, e tantas vezes em meio a dor, tenho aprendido que o futuro simplesmente acontece. Porém, não consigo evitar refletir quanto o poderá vir, e como nos preparar para o amanhã.

Quando penso no futuro da Igreja sinto uma pontinha de desconforto. É possível que neste tempo exista mais teólogos e estudantes de teologia, do que em todas as épocas anteriores somadas justas. Porém, nunca vimos tanta superficialidade e tolice. Que legado deixaremos para a Igreja do futuro? Temo que os cristãos bíblicos do amanhã, olhem para nossa geração e digam: “Vejamos o que não devemos fazer!!”.

Apostasia e reforma; nova apostasia, nova reforma. Temos a impressão de que tais ciclos se repetem de tempos em tempos ao longo da História da Igreja. De qual lado estamos? Te convido a fazer parte do grupo que não abre mão da simplicidade do Evangelho de Jesus...

Paz e bem.

7 comentários :

  1. Passei os últimos 10 minutos lendo este artigo como se estivesse de frente com um espelho..
    Paz de Cristo
    www.paulomoreno.com.br/blog

    ResponderExcluir
  2. Negativo, sou um cristão Reformado, de linha calvinista (e bem radical... rsrsrs). Na verdade, denominacionalmente, sou assembleiano quase de berço, e , mais recentemente, em diálogo com o anglicanismo (aguardando direção do Senhor).

    Paz e bem

    ResponderExcluir
  3. na realidade as heresias ensinadas por voces como dia do senhor ser no domingo a doutrina da triade ou trindade entre outras vergonhosas heresias fazem de todos os pseudos protestante serem todas filhas da ig catolica

    ResponderExcluir
  4. Para quem esta para ingressar em um seminário, se deparar com esse texto e concordar com as afirmativas é algo confortante e realmente nos prepara para o que fomos chamados, pregar o evangelho puro e simples.
    Obrigado pelo texto. Deus lhe abençoe.

    ResponderExcluir
  5. e quando queima aqui dentro um amor tao intenço pela palavra de DEUS que chega a doer e voce nao tem onde estudar.....

    ResponderExcluir

Comente e faça um blogueiro sorrir!

Reservamos o direito de não publicar comentários que violem a Lei ou contenham linguagem obscena.