Pastor Pentecostal Reformado?!


 Pastor Pentecostal Reformado?!

carta-pastor-pentecostal-reformado

“Pessoal, hoje quero reproduzir aqui no projeto Olhar Reformado, um texto que tocou meu coração profundamente. E não só isso, este texto me fez repensar também algumas posturas eclesiásticas que eu vinha tomando, até o ler. Espero que a leitura deste texto possa lhe ajudar, tanto quanto me ajudou.

E deixo aqui a recomendação para que leiam o excelente blog “O Tempora, O Mores!”; fonte da citação” (Marcelo Lemos).

*Embora a situação e o destinatário dessa carta sejam fictícios, ela se baseia em fatos reais.

Meu caro Fernando,

Fiquei muito feliz em saber que você vem se fortalecendo mais e mais nas doutrinas da Reforma. Lembro-me bem das suas interrogações e de seus conflitos quando você começou a ler Martin Lloyd-Jones, Spurgeon e outros autores reformados e se deparou com a visão reformada de mundo e com as doutrinas da soberania de Deus, da graça absoluta e da nossa profunda depravação. Quantas perguntas e quantas interrogações! Pelo que entendi da sua carta, esse período inicial de conflito interior e de "arrumação" da mente já passou e agora você enfrenta uma outra fase, que é o antagonismo de colegas pastores da sua denominação e de membros da sua igreja para com o novo conteúdo das suas pregações e do seu ensino.

Você me perguntou se temos espaço em nossa igreja para pastores como você, que é pentecostal e que recentemente encontrou as doutrinas reformadas. Estou vendo essa possibilidade com alguns outros colegas pastores, mas eu pessoalmente não creio que a solução seria você sair de sua igreja e passar para uma reformada. Creio que você deveria tentar ficar onde está o máximo de tempo que puder. Os reformadores, como Lutero, a princípio não pretendiam sair da Igreja Católica, mas ficar e reformá-la de dentro para fora. Somente após algum tempo é que ficou claro que isso era impossível. No caso de Lutero, o papa se encarregou de expulsá-lo com a excomunhão. Seu caso é diferente, pois é um absurdo comparar a situação de um reformado dentro da Igreja Católica com a situação de um reformado dentro de uma igreja pentecostal. Portanto, minha sugestão é que você permaneça o máximo que puder, só saia se for obrigado a isso. Deixe-me dar alguns conselhos nessa direção.

1. Mantenha sempre em mente que apesar das diferenças que existem em doutrinas e práticas (nem sempre discutidas de maneira cristã), os reformados no Brasil sempre reconheceram os pentecostais históricos como genuínos irmãos em Cristo. Nós chegamos ao Brasil primeiro. Vocês vieram depois. É verdade que a princípio houve relutância em reconhecê-los como evangélicos por causa da estranheza com as práticas e doutrinas pentecostais, mas apesar delas, eventualmente vieram a ser reconhecidos como irmãos dentro da fraternidade evangélica.

2. Existem muitos pontos de convergência entre os reformados e os pentecostais. Além dos pontos fundamentais contidos, por exemplo, no Credo Apostólico, compartilhamos com eles ainda o apreço pelas Escrituras, o reconhecimento da necessidade de uma vida santa, a busca da glória de Deus, o desejo de um legítimo avivamento espiritual e o zelo pela doutrina. Nesses pontos e em outros, pentecostais e reformados sempre se alinharam contra liberais e libertinos. Tente se concentrar nesses pontos comuns nas suas pregações e no seu ensino.

3. Enquanto permanecer em sua igreja, responda sempre com mansidão e humildade aos que questionarem as "novas doutrinas" que você agora professa. Diga que as doutrinas ensinadas pelos reformados são muito mais antigas que a própria Reforma e que remontam ao ensino de Jesus e dos apóstolos. Elas têm sido adotadas e ensinadas por pastores e pregadores de todos os continentes e de muitas denominações diferentes. Elas serviram de base para o surgimento da democracia, da visão social, das universidades e da ciência moderna, e vêm abençoando a vida de milhões de pessoas ao redor do mundo. Naturalmente, o que vai realmente fazer a diferença em sua resposta é sua habilidade de mostrar biblicamente que você não está abraçando nenhuma heresia ou doutrina nova. Para isso, é necessário que você estude as Escrituras e que se familiarize com sua mensagem, especialmente com as passagens e porções que tratam mais diretamente das doutrinas características da Reforma.

4. Evite dar a falsa impressão de que ser reformado é cantar somente salmos sem instrumentos musicais, não ter corais nem grupos de louvor, proibir as mulheres de orar em público e não levantar as mãos ou bater palmas no culto. Concentre-se nos pontos essenciais, como a soberania de Deus, a sua graça absoluta na salvação de pecadores, a depravação total e a inabilidade do homem voltar-se para Deus por si mesmo, a necessidade de conversão e arrependimento e a centralidade das Escrituras na experiência cristã.

5. Quando chegar ao tema do livre arbítrio, escolha com cuidado as suas palavras. Você sabe que a posição reformada clássica é de que a soberania de Deus e a responsabilidade humana são duas verdades igualmente ensinadas na Bíblia, muito embora não saibamos como elas se reconciliam logicamente. Deixe claro que você em momento algum está anulando a responsabilidade do homem para com as decisões que ele toma, e que, quando ele toma essas decisões, ele as toma porque quer tomá-las. Ele é, portanto, responsável pelo que faz e pelo que escolhe, mesmo que, ao final, o plano de Deus sempre prevalecerá e será realizado. Não tente resolver o mistério dessa equação. Seja humilde o suficiente para dizer que você reconhece o aparente paradoxo dessa posição e que não consegue eliminar nenhum dos seus dois pontos. Mantê-los juntos em permanente tensão é o caminho da Reforma, e um caminho que muitos pentecostais vão entender e apreciar. O que eles receiam é que se acabe por eliminar a responsabilidade do homem e reduzi-lo a um mero autômato. Deixe claro que não é isso que os reformados defendem.

6. Creio que será muito útil você estar familiarizado com as experiências espirituais vividas por John Flavel, Lloyd-Jones, Jonathan Edwards, David Brainerd, George Whitefield e muitos outros reformados. Os reformados e particularmente os puritanos deram grande ênfase à religião experimental, isto é, ao fato de que os cristãos deveriam ter profundas experiências com Deus. Nossos irmãos pentecostais apreciam essa ênfase, pois o surgimento do pentecostalismo, entre outros fatores, foi uma reação contra a frieza e a formalidade de muitas igrejas históricas do início do século XX nos Estados Unidos e Europa.

7. Tente ainda mostrar que as doutrinas da graça, aquelas da Reforma, são as que mais tendem a glorificar a Deus, visto que exaltam a sua soberania e humilham o homem, colocando-o no devido lugar. Todo cristão genuíno tem anseios de dar a glória a Deus e de vê-lo exaltado. Nossos irmãos pentecostais buscam a glória de Deus, e quando entendem que as doutrinas da graça tendem a exaltá-lo mais que outras, passam a ter uma atitude de reflexão e abertura para com elas.

8. Um outro conselho. Pregue a Palavra, exponha as Escrituras com fidelidade. Ao fazer isso, você estará pregando as grandes doutrinas da graça em vez de pregar sobre a Reforma. Evite citar autores reformados o tempo todo. Muitos pregadores reformados estragaram seu ministério porque dão a impressão que conhecem Lutero, Calvino, Spurgeon e os puritanos mais do que o apóstolo Paulo, pela quantidade de vezes que ficam citando autores reformados em seus sermões. Evite clichés evangélicos e reformados. Pregue a Palavra e deixe que seus ouvintes concluam que as doutrinas reformadas são, na realidade, bíblicas.

9. Não estou dizendo que você deve "esconder o jogo" para evitar ser colocado para fora de sua igreja. Faz parte da integridade e da honestidade cristãs assumirmos o que pensamos. Assuma sua posição, mas de forma inteligente e sábia, de forma que muitos entendam a mudança que ocorreu em você. Por outro lado, evite a síndrome de mártir. Eu pessoalmente detesto essa atitude que por vezes alguns reformados adotam quando estão em minoria e estão sofrendo resistência. Se ao final não tiver jeito e você tiver mesmo de sair da sua igreja, saia com dignidade, não saia atirando nem acusando as pessoas.

10. Não veja as perseguições que você tem sofrido dentro de sua igreja como algo pessoal, mas como a reação de irmãos sinceros do outro lado de um conflito que já dura séculos dentro da igreja cristã, que é aquele entre semipelagianos-erasmianos-arminianos, de um lado, e agostinianos-calvinistas-puritanos, de outro. Lembre que em ambos os lados há crentes verdadeiros e sinceros.

Por fim, existem já no Brasil várias igrejas pentecostais-reformadas, pequenas, é verdade, ainda nascentes. Mas, mesmo não sendo pentecostal, profetizo que esse movimento pode crescer muito no Brasil. Muitas igrejas históricas já são pós-reformadas e é muito triste ver o esquecimento das suas heranças e como vai ficando cada vez mais difícil um retorno verdadeiro. Quem sabe os pentecostais não estejam predestinados a avançar bastante a teologia da Reforma no Brasil?

Fique em paz. Um abraço do seu irmão e amigo,
Augustus.

13 comentários :

  1. Lourival Nascimento22 de maio de 2009 10:32

    faltou o comovido no início do texto acima rsrsr

    ResponderExcluir
  2. Lourival Nascimento22 de maio de 2009 10:32

    Caro irmão Marcelo,

    senti-me profundamente com esta carta do Rev Augustus Nicodemus. É bom saber que mesmo entre os "grandes" da igreja reformada existe quem nos respeite como péntecostais buscando em Deus à luz de sua palavra o encontro com as doutrinas reformadas. Obrigado por tua humildade em reproduzir aqui tão importante artigo. Pos falar nisto semana que vem vou estar na Mackenzie para um congresso sobre O João Calvino. Quem sabe não encontro o Rev Augustus lá.

    Soli Deo Glória!!

    Lourival Nascimento

    ResponderExcluir
  3. Gostei muito dos conselhos do Augustus Nicodemos. Sábios conselhos com muito equilibrio. Isto é muito importante. Sou membro da Igreja Presbiteriana Fundamentalista do Brasil. A nossa denominação é reformada. Estudamos nas escolas dominicais a confissão de fé de westminster, catecismos maior e o breve catecismo.

    ResponderExcluir
  4. Sabios conselhos, sou membro de uma igreja batista histórica, mas de acordo com sua declaração de fé, seu ensino sobre a eleição é segundo a pré-ciênsia de Deus, como arminio via, e também já fui membro de uma igreja pentecostal e passei por muitos preconceitos devido a minha fé reformada, hoje na igreja batista não existe isso, apesar deste pequeno detalhe em sua declaração de fé, e também, nosso pastor se dizer pentecostal por que crer em todos os dons do esprito para os atuais dias, Também sou pentecostal no sentido que o Esprito Santo atua poderosamente em nossas vidas etc., entretanto como reformado tenho algumas ressalvas no que diz respeito a dons esprituais e a atualidade de alguns para os dias de hojé, mas nunca se esquecendo da soberania de Deus, essa carta ajudou-me a lidar de forma mais contudente com essas pequenas diferênças.

    ResponderExcluir
  5. Graça e paz!
    Eu na minha época de ignorancia tb fui levado pelo pentecostalismo, mas graças a Deus e ao CPO/NE (Curso de Preparação de Obreiros) de Garanhuns e CEIBEL (Curso extensivo do Instituto Bíblico Eduardo Lane) me ensinaram a crer na suficiencia plena das Sagradas Escrituras. mas tenho amizade com pessoas de outras igrejas Batistas e Pentecostais, respeito a pessoa humana, entretanto não concordo com o que não se pode provar pela Santa Lei de Deus. Entendo que muitos pentecostais hoje estão mais maduros e buscando sabedoria, mas aqui na minha cidade quando conheci Cristo e passei a Congregar na IPB, vários pentecostais diziam que eu estava aprendendo a verdade e um dia estaria com eles, tadinhos eles é que estavam aprendendo e continuam. Hoje temos varios irmaos ex-assembleianos que lendo a Bíblia descobriram os tesouros da Graça. Glória a Deus que tem dado entendimento aos eleitos para sair da ignorancia como eu sai um dia
    Veronilton Paz da Silva (Presbitero da Igreja Presbiteriana do Brasil em Monteiro-PB, Professor da EBD, Obreiro Voluntario em Congregaçao na periferia, Orientador do CEIBEL em Monteiro-PB)

    ResponderExcluir
  6. marcelolemoseditor2 de setembro de 2009 13:13

    Obrigado pela participação, e pelo testemunho, irmão Veronilton. Também conheço pessoalmente vários casos semelhantes a estes. E também conheço muitos obreiros presbiterianos, inclusive obreiros, que apesar de não se 'pentecostalizarem', creem na atualidade dos dons tidos como 'extraordinários'.

    Paz e bem

    ResponderExcluir
  7. Graça e paz!
    Lendo a resposta do pastor Marcelo, veio me a mente o caso de um ex-assembleiano que foi vetado para o ministério pq nao era segundo eles batizado com o Espírito Santo, ou seja o rapaz prega que é uma benção, tem vida com Deus, inclusive mais que outros estão nos cargos, mas não fala em linguas e nao pode por isso ser oficial da igreja, enquanto que 90% dos que estão lá falando linguas são velhacos, nao pagam a ninguem, seus filhos são os piores alunos da escola, eles são totalmente irresponsaveis para com sua familia, mas pq falam "Linguas de anjos" como eles mesmo designam estão no patamar superior aos outros. Que unção é essa meu Deussss!!!

    ResponderExcluir
  8. marcelolemoseditor3 de setembro de 2009 14:09

    Infelizmente, irmão Veronilton, tais coisas acontecem. Um dos erros do pentecostalismo classico é ver no sinal das 'linguas' a PROVA de que alguém foi batizado com o Espírito Santo, em detrimento dos demais dons do Espírito Santo. Algo que precisa ser repensado.

    Paz e bem

    ResponderExcluir
  9. Graça e paz!
    Caro Marcelo quero parabenizá-lo pela ética cristã. Creio diferente do irmão em alguns aspectos dos dons, mas isso não servirá para nos dividir, pois o irmão é maduro e tem provado isso com comentarios coesos e cristãos. Se desejar deixar uma mensagem no meu blog www.caririreformado.zip.net será um prazer divulgar um artigo seu como já tenho divulgado vários que vi aqui. Um abração e a Graça e a Paz de Cristo!

    ResponderExcluir
  10. Tal irmandade, irmão Veronilto, é maravilhosa. E tomo a liberdade de poder citar alguns textos aqui também. e irei visitar o seu blog com todo o prazer.

    Paz e bem!

    ResponderExcluir
  11. Graça e paz!
    Eu já vejo no irmão Marcelo um novo amigo que a cada dia passo a admirar mesmosem conhecer. Gostaria que se possível expor o endereço de um blog da minha região que professa a fé reformada www.cristaoreformado-cristaoreformado.blogspot.com

    ResponderExcluir
  12. marcelolemoseditor2 de outubro de 2009 13:33

    Acessei o Link; e gostaria de conhecer outros. Quem sabe agente não faz um diretório com links de vários irmãos e igrejas reformadas?

    E obrigado pela consideração; que Deus o abençoe.

    Paz e bem

    ResponderExcluir
  13. Muito bom o conteúdo, pois estudo Teologia Reformada, mas sempre sou chamado para pregar em igrejas pentecostais.

    ResponderExcluir

Comente e faça um blogueiro sorrir!

Reservamos o direito de não publicar comentários que violem a Lei ou contenham linguagem obscena.